sexta-feira, 18 de junho de 2010

Invadida

Tenho andando um tanto atribulada nos últimos dias, diria até desesperada.
Acontece de vez em quando de você ter que resolver o mundo e acaba não resolvendo nada. É o estágio que te entedia quando pode estar fazendo mil coisas mas está enchendo lingüiça em frente ao computador. São as disciplinas te cobrando a filmagem de um curta, a assessoria de comunicação da entidade filantrópica, a mega-matéria para o site do curso. É o outro estágio tão solto e sem assistência que não te dá a mínima estrutura. São os relacionamentos desgastados...
Encontrei-me esses dias solta, distante, enlouquecida. Senti saudade de amizades com quem fico horas a fio conversando sobre a vida, sobre como temos passado e sobre como ainda passamos juntos. Criei certo asco das pessoas me cumprimentando sempre com outro interesse, sem perguntar ao menos como vou, sem ao menos dizer bom dia – Como está o trabalho, fez a sua parte? Não, não fiz!
Enfadonho e irônico pessoas que nunca têm atitude de nada reclamando do trabalho “mal feito” de quem se desdobra pra fazer o que era tarefa do reclamão preguiçoso e acomodado. Não me vejo santa, nem calma. É do meu próprio espírito essa inquietude que não me deixa parar. Sei bem dizer não, mas evito, apesar dos tantos nãos que recebo diariamente. E de certa forma me orgulho. Mesmo abrindo espaço para estes tantos que não sabem pedir licença, que não pensam que há outras coisas a serem feitas, outros problemas a serem resolvidos.
Dou-me sim, finjo que tenho tempo, que posso e resolvo. Não mando mensagens dizendo o que tem que ser feito, faço. Tenho meu mau humor, minha arrogância, minha ironia, meu sarcasmo. Tenho meus mil defeitos e não me orgulho de nenhum, nem do orgulho por si. Mas como queria que se lembrassem que sou humana tanto quanto e que, se me vêem tão transparente e disposta, é porque a porta é de vidro mas nem por isso deve-se deixar de bater.

Um comentário:

JunioOoOor disse...

Confesso, sinceramente que já faz um bom tempo que me sinto assim também... hehehehehehe É um sentimento de vem-e-vai que me deixa irritado por cometer as mesmas atitudes que tu descreveu na postagem. ;)